terça-feira, dezembro 27, 2011

Factos e mitos

Como é que a economia que mais cresce no mundo, consegue viver sem bancos privados? Na http://pt.wikipedia.org/wiki/Economia_da_Rep%C3%BAblica_Popular_da_China:
A maior parte das instituições financeiras da China é estatal, e 98% das ações bancárias também são estatais. Os instrumentos que comandam as políticas fiscais e financeira são controlados pelo Banco Popular da China e pelo Ministério das Finanças, ambos controlados pelo Conselho de Estado. O Banco Popular da China substituiu o Banco Central da China e gradualmente tomou o controle de bancos privados. O banco cumpre muitas funções de outros bancos centrais ecomerciais. O banco também emite a moeda, controla sua circulação e desempenha a função importante de cobrir os disparidades orçamentais. Ademais, o banco administra as contas, os pagamentos e os recebimentos de organizações governamentais e de outras instituições, que permite ao banco de exercer uma total supervisão sobre os seus desempenhos financeiros e gerais que estão sob consideração aos planos econômicos do governo. O banco também é responsável pelo comércio exterior e outras transações estrangeiras. As remessas de capital parachineses no exterior são gerenciadas pelo Banco da China, que tem várias ramificações em muitos países.
Pelos vistos um estado superobeso detentor e gestor de bancos sem a força impulsionadora dos mercados, consegue melhor desempenho que  um estado elegante que passa a vida a necessitar de impostos e austeridade para os seus cidadãos para não deixar  bancos privados empreendedores irem à falência no sacro-santo mercado.

Ponto de viragem

Dentro de certos limites...
a) o stress melhora o desempenho
b) o débito cardíaco aumenta se o comprimento da célula cardíaca for maior na diástole
c) aumentando os impostos a receita do estado aumenta
São várias as curvas em que os resultados sobem até um determinado ponto a partir do qual se instala a rotura e a falência, por vezes irreversível. Pois é, a certo momento a água começa a borbulhar, deixa de estar quieta, deita por fora e não vale a pena tapar a panela, porque aí, é ela que rebenta.

segunda-feira, dezembro 26, 2011

Para confirmar depois

Já todos tínhamos ouvido algo semelhante dito pelos partidos fora do arco do poder (acho deliciosa esta designação meio pimba e com sabor a marchas populares, mas prefiro chamar-lhes partidos do alterne)
Deixo o link para o Público:
http://economia.publico.pt/noticia/para-sair-da-crise-e-preciso-romper-com-a-troika-e-obrigala-a-renegociar-a-divida-1526489
A publicação pode ser um sintoma de que algumas dúvidas começam já a minar as estruturas para os lados de D. Belmiro.
No fundo, é algo para se testar a validade dentro de meses.

sábado, dezembro 24, 2011

Pausa

Por mais que queiramos passar ao lado, há datas que nos marcam e nos despertam a memória e os registos. Há um ambiente opressivo à volta delas. Nestas alturas, imagino sempre as dificuldades dos que estão fora do conceito e  a forma irritada como devem ouvir falar da paz e do amor. Já não os conhecem há tempos na sobrevivência que lhes resta. Importaria haver algum pudor que os poupasse ao confronto. se as desigualdades e injustiças podem desconfortar os que não as têm, pode imaginar-se (será que se pode mesmo?) o desconforto que determinarão nas vítimas.

quinta-feira, dezembro 22, 2011

Prendas de Natal e todo o ano

A promessa era cortar na despesa e diminuir a receita. Só que não esclareceram quem era o sujeito da frase. O programa vai ser cumprido, o sujeito éramos nós: vamos cortar nas nossas despesas e reduzir as nossas receitas. Começou por 1/2 14º mês, continuou com o 13º e 14º (versão completa) e agora menos a receita de 23 dias de trabalho. Ou seja, o 12º mês também já lá vai. Quando reagiremos? Depois do 11º? do 10º? do 9º?.... Quando? Jornada de trabalho de sol a sol? Fila diária para nos darem trabalho nesse dia?
Será este o caminho?
Industries such as the cotton trade were particularly hard for workers to endure long hours of labour. The nature of the work being done meant that the workplace had to be very hot, steam engines  contributing further to the heat in this and other industries. Machinery was not always fenced off and workers would be exposed to the moving parts of the machines whilst they worked. Children were often employed to move between these dangerous machines as they were small enough to fit between tightly packed machinery. This led to them being placed in a great deal of danger and mortality (death rates) were quite high in factories. Added to the dangers of the workplace also consider the impact of the hours worked. It was quite common for workers to work 12 hours or more a day, in the hot and physically exhausting work places. Exhaustion naturally leads to the worker becoming sluggish (slow), which again makes the workplace more dangerous.
Not all factories were as bad as the scenario highlighted above. Robert owen and Titus salt  for example were both regarded as good employers in this respect. They were amongst a group of people who were known as reformers. These people wanted changes to the way that factories were run. They faced opposition from other mill owners who knew that reforms would cost them money and give the workers more rights. (They wanted to make as much profit as possible remember, that is the purpose of manufacturing in a capitalist country).
The reformers gradually managed to force changes to the way that workers were treated. Some of these reforms are listedbelow.
Factory Act 1819Limited the hours worked by children to a maximum of 12 per day.
Factory Act 1833Children under 9 banned from working in the textiles industry  and 10-13 year olds  limited to a 48 hour week.
Factory Act 1844Maximum of 12 hours work per day for Women.
Factory Act 1847Maximum of 10 hours work per day for Women and children.
Factory Act 1850Increased hours worked by Women and children to 10 and a half hours a day, but not allowed to work before 6am or after 6pm.
1874No worker allowed to work more than 56.5 hours per week.
Em: 
http://www.schoolshistory.org.uk/IndustrialRevolution/workingconditions.htm
Tudo isto será porque o trabalho liberta?



quarta-feira, dezembro 21, 2011

Tempos ordinários

Vieram um dia e levaram-nos os meses extraordinários... eu disse, mas muitos não disseram nada, porque não eram funcionários públicos;
Vieram noutro dia e levaram as horas extraordinárias... eu disse, mas muitos não disseram nada, porque não eram médicos;
Virão outro dia roubar-nos os dias... já ninguém dirá nada, porque já todos emigraram?
Vão ordinários estes tempos de vertigem acelerada até ao vazio.

segunda-feira, dezembro 19, 2011

Obviamente, demita-se!

Quando tudo o que um Primeiro Ministro tem para resolver os problemas dos seus cidadãos é sugerir-lhes que emigrem, o que está a afirmar e a pedir-lhes é que vão ser governados por outros mais competentes e capazes de lhes assegurarem o bem-estar, ou seja, está a declarar-se incompetente para o cargo e a pedir que o substituam.
Se o seu programa de governo enquanto candidato era um e agora o que propõe é o inverso do prometido e na base do que foi eleito e chega ao ponto de pedir aos cidadãos que emigrem, apenas lhe resta uma saída: Demita-se! Assuma a mentira.

domingo, dezembro 18, 2011

Solidão

Ficar assim ao fundo da escada, esperando com o olhar vago de possivelmente já nada mais vir a acontecer além da espera inútil e sentir a inutilidade do movimento. Porque esse só tem sentido, quando há um sentido para a marcha. E fica-se à espera de nada acontecer até um tempo qualquer.

sexta-feira, dezembro 16, 2011

eMundo

Em poucos dias dois episódios no fundo semelhantes. Primeiro, a conversa de José Sócrates, agora a posição de Pedro Nuno Santos. Semelhantes, não pelo conteúdo ou importância das posições (e pessoalmente, sempre detestei discursos politicamente corretos, unanimistas, de ir com as outras), mas nas circunstâncias em que foram proferidos. Trata-se de reuniões de grupo em que os ouvintes se supõe estarem do mesmo lado do orador, em que deveria, por isso, haver alguma parcimónia na divulgação e solidariedade na posição. Mas, quer num caso quer no outro, não foi isso que aconteceu e, quem deveria ser aliado, traiu quem falou, deu armas ao inimigo ou como também se dizia, bufou. Para os mais novos chibou.
Pode isto acontecer apenas pela vontade incontrolável de ser repórter, dar a notícia, pôr no youtube, criar som e ficar com a alegria incontida de ter causado uma onda no pântano. Pode a coisa ser mais nojenta e imunda e haver infiltrados, verdadeiros bufos entre a assistência nestas reuniões, prenunciadora de um regresso a algum passado e nesse caso é ainda mais preocupante. Mas de uma maneira ou de outra, a consequência poderá ser o fim da liberdade de expressão, a auto-censura do que dizemos, porque temos de desconfiar dos parceiros que julgamos serem nossos camaradas. E vamos dizer com cuidado, o que tira necessariamente algum grau de veracidade ao que dizemos. Todos vamos ficar a saber menos do que poderíamos saber nas conversas de amigos. Pode sempre haver um telemóvel de câmara ligada neste eMundo.

quinta-feira, dezembro 15, 2011

Os dias dos anos

Ao princípio é ao dia, depois à semana e ao mês, finalmente aos anos. Há aqueles momentos em que a década muda e se entra nos inta e depois nos enta. Depois, enfim, até aos cem não se passa nada e nessa altura também, quase sempre nada se passa. Na maioria dos casos, somos nós que já passámos.
Passam assim estes dias como dias de todos os dias, só perturbados pelas linhas encontradas no facebook em que os automatismos acordam os conhecidos.
E pronto, já está mais um dia passado, que foi mais um ano. E de ano em ano nos vamos encontrando nalguma deceção do que não acontece, aqui e além interrompidos por alguns salpicos de sorriso. Há sobretudo uma grande acalmia que os anos dão a estes dias.

quarta-feira, dezembro 14, 2011

Slow

A cidade vai ficando mais ao longe quando nos reencontramos aqui, onde os vizinhos se conhecem (porque vivem mais distantes e o espaço lhes dá a liberdade dos encontros?) e as experiências se trocam em diálogos lentos de comunicação e entreajuda, com vista a ultrapassar as dificuldades comuns que encontramos. De um vem uma ideia, de outro um conhecimentos porque a ideia já foi experimentada, do outro um alerta porque existe um perigo não imaginado e, no fim do dia, há uma cultura que cresce. Cultiva-se com o saber de experiências feito, com aquilo que se ficou a saber depois de nos esquecermos do que aprendemos. Há uma solidez que emerge da realidade e não uma imagem que cresce de um mundo virtual. A gente aqui é de carne e osso, não tem sempre sorrisos e umas vezes ganha e outras perde, porque a vida é esse jogo em que se não vence sempre. É-se, não se parece. Mas nisto da vida mais vale ser mouro do que mourinho. Assim se é especial, na realidade. Para nos encontrarmos temos de ter o tempo de nos sentirmos e andar a 10 km/h é a melhor maneira de perceber todos os centímetros.

segunda-feira, dezembro 12, 2011

Bloqueio comercial

Não me seduz grandemente comprar português, mas começo a achar ser urgente boicotar o que é alemão. Até para que a Imperadora e seu povo trabalhador sejam obrigados a consumir o que produzem e não tenham tanta razão de queixa de quem lhes deve. Nessa altura pensarão renegociar os custos...

quinta-feira, dezembro 01, 2011

Há sempre caminhos novos

outros caminhos que nos vêm do frio. Esta será apenas uma das alternativas que nos têm vindo a esconder? Está  a chegar a hora de os procurarmos.

terça-feira, novembro 29, 2011

Fim do mundo e jantar de curso

O Expresso tem esta vantagem, é inspirador.
1. Na última edição Miguel Sousa Tavares, comunica-nos que esta Era acabou. Segundo ele, acabou a era em que havia solidariedade entre as pessoas e agora é cada um por si conforme exemplifica com o seu exemplo pessoal. Ele previu o fim das garantias de vida estável, da organização das sociedades. Às vezes, têm-se filhos para isto (Sousa Tavares pai e a mãe Sophia devem estar aos tombos nas tumbas).
Segundo este autor, o caminho será a existência de 10 milhões de indivíduos que fazem comentários na televisão e conseguem vender livros através da notoriedade que isso lhes confere. Nada de aturar patrões incompetentes. Ausência de organização social, já. «O mundo confortável que nos prometeram e em que quisemos acreditar acabou». Está decretado o fim do mundo! Mas o fim do mundo, como, aliás, reconhece para o fim do artigo teve que ver com algumas perversões dos «piratas do subprime americano, da bolha imobiliária espanhola ou do sistema bancário irlandês» e «não podemos continuar a tolerar o dumping social e fiscal e o crime das offshores». Afinal «há aqui alguém que apostou e está a ganhar com a ruína dos pobres e a liquidação do euro e da própria ideia de Europa».
Se calhar, então, mas não o refere o iluminado, a solução não é o fim do mundo que anuncia necessário, destruindo a organização social e a solidariedade, mas tão só «reinventar um caminho novo» em que a complexidade e atribulação consiste na supressão das perversões, das bolhas e do sistema bancário. Depois disso e  do fim das virtualidades, voltaremos à realidade e tranquilidade da vida com novos valores e sem ser necessário acabarmos com o mundo confortável em que vivíamos.
2. No jornal de Economia, publicado por um distinto Professor de Economia da Stern School of Business, vem outra peça iluminada, em que resumidamente se explica que isto dos jantares de curso em que a conta é dividida por todos independentemente do que cada um bebe, consiste numa «divergência fatal entre o custo real e o custo enfrentado pelo decisor relevante». Isto para nos explicar com a metáfora que no Euro não é tolerável que os países possam ser solidários entre si e haja uns que gastam e outros que produzem. Mas produzem para quem gastar? Ou quem beneficia com os gastos?
Acho que neste jantar de curso da Europa, o problema que não está bem percebido é que o jantar foi servido para todos no restaurante alemão, que criou um clima de festa mal regulada, incentivando o consumo da cerveja e, só  no fim, decidiu apresentar a conta. Entretanto vendeu a cerveja. E se, com a irreverência estudantil, dissermos, não pagamos!? Vão continuar a produzir cerveja para deitar ao Reno?Conseguem sobreviver sem os beberrões?

segunda-feira, novembro 28, 2011

Um pai oculto

 (roubado em http://www.youtube.com/user/M4rciano.)
Estão aí alguns dos possíveis suspeitos, mas, estou convencido, que o verdadeiro pai está oculto, alguns num offshore, por exemplo.

sábado, novembro 26, 2011

Fora o árbitro!

Na lapela esquerda usam agora uma bandeira. Aqui mostra-se o capitão da equipa. Os outros têm uma igual. Como lhes chamar? Bandeirantes? Apesar de terem ido à procura de ouro no Alentejo e petróleo em Peniche, não parece que possam concorrer (pelo menos nos resultados) com os verdadeiros que procuraram as riquezas no Sertão.
Estes são mais bandeirinhas, correm alinhados para trás e para a frente, auxiliando o (a) grande árbitro que apita em Berlim. E o intercomunicador funciona numa só direção, do árbitro para os alinhados bandeirinhas. Levantam a bandeira ou deixam-na abaixada de acordo com as ordens na esperança de que os dirigentes (poder financeiro) lhes forneça a fruta fresca no fim do jogo. Não têm opinião, cumprem simplesmente as ordens do árbitro. Mas o jogo, esse só existe se os jogadores o fizerem.

sexta-feira, novembro 25, 2011

Números da greve

Ontem fomos informados que só 10% dos trabalhadores fizeram greve. O problema assim colocado não parece ter sido grande. No entanto, são 10% que trabalham que se fartam e isto vos garanto.
No caso das consultas externas de um grande hospital de Lisboa, foram realizadas nesta quinta-feira cerca de metade das consultas relativamente ao número habitual neste dia da semana. Assim se conclui que  90 % dos que foram trabalhar fazem tanto, quanto os 10% que fizeram greve, ou seja foi trabalhar quem habitualmente pouco faz!
Há que ser mais rigoroso na apreciação dos números.

quinta-feira, novembro 24, 2011

Greve geral

Relvas: situação de Portugal só será ultrapassada com muito trabalho





Sem dúvida e todos sabemos que não é tarefa fácil retirar o poder a estes dominadores que lá chegaram mentindo aos eleitores. Vai dar muito trabalho, mas nesse campo há um grupo mais habilitado, os dominados de agora. Sempre trabalharam, têm um longo curriculum e competência no campo do trabalho a fazer. Hoje não trabalharam para o poder como fazem todos os dias, fizeram um intervalo para trabalharem para si. Mais dias serão necessários até que fique à vista toda a completa falta de suporte destes governantes. Porque o Trabalho é a alternativa, a trabalhar se continuará até à defenestração final dos usurpadores.

É uma questão de tempo, eles sabem, começam já a estar nervosos.


Segunda nota: os «abençoados» classificadores atribuem hoje a nota de lixo... porque não há crescimento, parece. 

terça-feira, novembro 22, 2011

Hoje é o primeiro dia do resto da tua vida

Não é fácil aqui chegar nos tempos que correm, quando as incertezas do futuro inclinam a subida do percurso. Mas ele chegou pujante, enérgico e forte. Vai ser difícil de vencer e, mesmo nas adversidades do momento, há uma esperança que subsiste, possivelmente a única coisa por que vale lutar. E a luta continua, pá! Como se diz na canção, junta-te a nós companheiro.
Apesar de tudo, hoje foi um dia que começou com nuvens e frio e acabou quente e com sorrisos. Vamos viver um dia de cada vez, porque a depressão instalada não vai durar sempre e nunca assim foi na História. Por isso, certamente, melhores dias havemos de ter (ainda que os planetas alinhem e alguns conceitos adquiridos tenham de ser mudados radicalmente). Só sabemos que não desistimos. Em frente, pá, hoje é o primeiro dia do resto da tua vida (como canta o outro).
Conta com o avô sempre que quiseres.

segunda-feira, novembro 21, 2011

Duche escocês

Este governo converteu-se num SPA
De há uns tempo a para cá é assim a estratégia deste governo: primeiro a notícia má... depois a menos má a contrariar a primeira. Mais uma vez agora assim foi a propósito dos funcionários públicos.
Mas acham que somos todos parvos? Ainda assim há bastantes, eu sei. Mas olhem que vai só durar até um destes dias. O povo vai dar conta da banhada.

Texto e música

Instruções de utilização:
 -clica-se na música e de seguida abre-se (botão direito do rato) o link numa nova janela.

http://www.leap2020.eu/GEAB-N-59-est-disponible-Crise-systemique-globale-30-000-milliards-USD-d-actifs-fantomes-vont-disparaitre-d-ici-debut_a8138.html (original em francês) ou http://www.resistir.info/crise/geab_59.html (tradução em português)

e

domingo, novembro 20, 2011

Conto da planície I


Viu com contornos precisos o homem que apareceu no cimo da colina, com passo firme e destino determinado. Caminhava naquele fim de tarde, vestindo desportivamente, mal deixando perceber algo que lhe pendia do ombro. Esfregou os olhos para ver melhor e, claramente, era uma corda grossa de sisal, daquelas que vira usar a prender carradas de mato nos carros que povoaram a sua infância puxados por vacas em chiadeira intensa serra abaixo. Mas era mais curta, bem mais curta. Nesse instante, lembrou-se do vento suão e sorriu na antecipação da brisa a varrer-lhe a face. Há momentos em que o espaço nos envolve e voltamos ao útero por instantes. Pelo menos imagina-se que o útero assim deva ser, apesar de ser impossível confirmar por razões óbvias a evidência da coisa.
E o homem continuava a descer, na encosta, determinado. Olhava-o e ansiava perceber o que lhe iria na cabeça, mas não conseguia perceber o que diziam os olhos à distância a que estava. É nos olhos que deciframos o mais fundo da alma ou os segredos bem guardados. Mas estavam tão longe que nem com a tele de 800 mm lá conseguia chegar. Quando estava quase enquadrado, a distância desfocava a imagem e a mudança de posição fazia perder o objeto. Houve ali uns instantes de desnorte com o objeto a fugir para fora da mira. Felizmente, momentos breves, que quebravam a sequência mas não a história. A sequência temporal das fotos deixa perceber a narrativa. Continuava a avançar sempre na mesma direção. Acontece algumas vezes nestes casos que a distância até ao destino que se não adivinha parece tender para o infinito. É sempre longo o caminho que se não conhece, porque tem a distância das dúvidas e a incerteza da chegada alguma vez. E mais ainda é para quem vê andar do que para quem anda. Fica-se sempre a perguntar, para onde raio é que ele vai. O desconhecido fica menos oculto quando se desvenda e mais insondável quando o tentamos perceber pelo caminho que os outros percorrem.
A caminhada continuava, mas aquela distância nem se imaginava onde terminaria. Além, no rio? Não, viu-o passar o rio de um salto, confirmando que os grandes desafios se ultrapassam com decisão e leveza de gestos. Aterrou suave na outra margem e foi nesse movimento que a corda voou como um chicote e deu a perceber que era de uma grossura ainda maior que tinha parecido alguns instantes antes quando pendia do ombro. Sim, era uma corda só um pouco menor que a das amarras dos barcos e tinha aspeto novo ainda sem a cor escura que o tempo e a chuva lhes dão. E a descida continuava.
Foi então que lá longe começou a avistar o zambujeiro emergente do granito. Seria aquele o destino provável e, nesse instante, foi percorrido por um sobressalto, tanto mais que sentia mais que nunca o vento suão. E é sabida a relação de homens sozinhos, cordas e vento suão. Nesse momento percebeu que algo o prendia, o impedia de se levantar e que também a voz lhe não saía. Debateu-se sem sucesso. Estaria amarrado? Não, porque então poderia gritar. Teria tido um AVC? Também não, sentia todos os membros paralisados. E também não estaria morto, porque as ideias continuavam a percorrer-lhe a cabeça. Não percebia como estava ali impotente, sem poder participar na ação, limitado a ver. Como os espectadores da televisão. E sem a capacidade do zapping, porque fixado na imagem. Absolutamente focalizado percebeu tudo de repente, quando o viu atirar a corda para o ramo alto da árvore. Tinham acabado as dúvidas e uma angústia ainda maior invadiu-o todo. Ali fixado, parado, incapaz de agir e condenado a ver aquela cena em direto. Era claro, de seguida, iria subir para a pedra, fazer um nó, colocar o pescoço dentro dele e, finalmente, projetar-se no espaço ficando a oscilar na brisa do vento suão. Nunca tinha conseguido perceber porque se antecipa o certo, mas percebia bem que há momentos em que tudo parece encerrado. Daí, começou a sentir uma espécie de solidariedade com o homem vestido desportivamente que atirava a corda de forma firme por cima do ramo grosso do zambujeiro. Fechou os olhos, apesar de tudo, recusando o espetáculo inevitável da morte em direto. Achou curioso ter conseguido fazer esse movimento e ficar na escuridão ouvindo melhor a brisa do fim da tarde. Teve pena de não ser crente para pedir a um Deus que interviesse e livrasse aquele desgraçado de tal sorte. Mas uma vez mais, também aí as soluções lhe fugiam. Só a consolação de poder continuar de olhos fechados, longe da visão, mas perto da certeza daquele desfecho inevitável.
No final da tarde, quase sem vento, havia um silêncio imenso que desmascarava qualquer movimento mesmo longínquo. Cerrou mais os olhos à espera de um estalo, seco que ecoasse na planície ou talvez mesmo um último grito, desesperado, de um arrependimento fora de tempo. Nada. Antes um roçar de vai-vém e um esvoaçar de pássaros.
De novo se surpreendeu porque conseguiu agora esfregar os olhos naquele gesto prévio a tentarmos ver melhor e primeiro desfocado, mas depois cada vez melhor viu o homem que vestia desportivamente sentado no baloiço voando para trás e para a frente. Quando abriu, finalmente, os olhos apenas havia o zambujeiro e nem vestígios de homem, nem de forca nem do baloiço. O vento suão era quase inaudível.
Deitado na rede brasileira na tarde quente depois do almoço não tinha resistido à brisa morna que o embalava. Depressa o murmúrio das folhas tinha ficado distante, o livro oscilou alguns instantes para baixo e para cima até lhe cair finalmente no colo.
Tinha um dia dito que era no sonho que melhor experimentava a realidade.

quinta-feira, novembro 17, 2011

Inertes

Estive tentado a colocar aqui um filminho que anda aí no you tube sobre a «ignorância dos nossos universitários». Não o fiz para não contribuir ainda mais para a propagação de uma mensagem eventualmente errónea, manipulada e que, no fundo, visa fundamentalmente aumentar a tiragem da revista duvidosa que a publica. Mas, na realidade, não deixa de ser preocupante constatar não só a ignorância, mas, sobretudo, a forma explícita como não é valorizada. A vergonha acabou, há uma auto-desculpabilização implícita, que choca. Parece que se houve nas entrelinhas, nós somos otimos e se não sabemos isso é porque o mundo aqui à volta nos não interessa. Otimos porquê? Afinal o que fizeram?
Sempre houve gerações a quem as heranças das anteriores não interessaram. A diferença, parece ser que essas combateram o que lhes não interessava, puseram o passado em causa e transformaram, não se renderam. Esta parece uma geração de rendidos, vencidos da vida, sem saída e isso é mais preocupante, porque é bizarra a falta de esperança nesta idade.

sábado, novembro 12, 2011

Abaixo a ditadura!

Sem que um tanque saia para fora das fronteiras, sem que um Fritz qualquer coisa corra o risco de levar ao menos um balázio, ei-los que avançam dominando primeiro a Grécia depois a  Itália, derrubando governos eleitos e substituindo-os por alguns dos seus, bem ensinados. Por cá, os comentadores de brandos costumes, estão felizes e realçam a inoportunidade de consultar os povos como na Grécia foi aventado. Esta gente bem doutrinada e fanática do liberalismo teme, apesar da sua força económica, a imprevisibilidade e sabedoria do povo. Resistir à anestesia que nos impõem, mandar a economia deles às urtigas, é um imperativo dos povos. Não se pode tolerar mais que a especulação dos jogadores de casino continue a avançar e imponha a sua ditadura. Isto é infame, intolerável e, de uma vez por todas, é preciso que a política triunfe sobre a religião económica dominante. Porque os domínios contra a vontade dos povos sempre foram temporários e sempre foram as ideias, a política, quem no fim acabou por triunfar.
As pitonisas da análise económica e outras que tais sempre divulgam as malfeitorias da política, as suas corrupções e vícios, promovendo o seu descrédito, apelando subconscientemente ao afastamento da Política.  Não o fazem inocentemente.Virar a opinião pública contra os políticos, visa, no fundo, manter a sobrevivência do seu poder, conseguida à custa do alheamento e da catarse sobre a face visível do poder que têm, os políticos, que, afinal, lhes garantem a vida.
Abaixo a ditadura! A vitória é certa!

quinta-feira, novembro 10, 2011

Falta de Cipriões

As couzas que padecem os moradores desse afligido reyno, bastarão para vos desenganar que os que estão fora desse pezado jugo, quererião antes morrer livres, que em paz sujeitos. Nem eu darei aos moradores desta ilha outro conselho...
Ciprião de Figueiredo


Esta determinação vi há dias inscrita num avião da SATA e vim depois a saber que constitui divisa do brasão dos Açores. Lembrei-me hoje, depois de ver algumas passagens da apresentação do orçamento do Estado.
Quem se opôs a Filipes, não resiste a Mercosys? Falta de Cipriões?

quarta-feira, novembro 09, 2011

Telecomunicações

Há uma face escondida da face oculta e não chegámos aqui por acaso. Mais um caso sintomático e não tão raro de educação dos jovens. Possivelmente, ainda algum resquício de herança do fascismo: o supremo prazer de enganar o poder.
Neste caso, deve rapidamente considerar-se se a professora tinha o direito de confiscar o telemóvel, já que parece, não havia mandato de nenhum juíz. A ser assim, com certeza, a prova deixa de existir e estará sujeita a um qualquer processo por abuso de poder.
Na escola, nas repartições de finanças, nos atestados médicos. Enganamos enganando-nos num fenómeno bem vasto com dimensões não suficientemente apreciadas.

terça-feira, novembro 08, 2011

Má educação

Já antes de entrar a algazarra ia grande lá fora. Algumas corridas, travagens, até encontrões na porta. O espaço da sala de espera era propício à gincana, de tal forma que quando entrou no consultório foi de rastos numa travagem de resistência. Logo foi comprado, com a promessa sussurrada de caso se portasse bem, teria como recompensa aquele carrinho amarelinho qu tinham visto antes. No meio de desculpas a mim dirigidas. E enquanto a consulta prosseguia, houve um pouco de rastejar, bater nas cadeiras, espernear, urros de quando vamos embora, e por aí adiante. Finalmente a consulta terminou. Foi nessa altura, depois de mais um envergonhado pedido de desculpas, o salafrário que não tem mais de 4 anos, olhou inquisidor para a mãe e disparou, portei bem não foi?
O mais certo é que tenha sido premiado pelo carrinho amarelinho, que irá deitar fora na primeira oporunidade.Que mundo será este feito com gente desta? E a culpa é  apenas da cultura do vale tudo. Saudades de um bom par de estalos!

segunda-feira, novembro 07, 2011

Procrastinação

Fica um enorme hiato entre a ação e o desejo, quase sempre este a vingar. A ação que é dita necessária acabará por vir. Demorará o mesmo tempo agora e depois? Ou realmente precisa da compressão do não mais poder esperar para surgir mais rápida? Entretanto o desejo consuma-se, sempre cheio de algum remorso pela dúvida da realização da ação no tempo útil. Há uma tensão sempre a estragar os dias que passam, gerando-se apenas um prazer limitado na efetivação dos desejos.
Há-de chegar o dia em que o desejo e  a necessidade sejam uma e a mesma coisa. pelo menos é o que se deseja.

domingo, novembro 06, 2011

Da importância das coisas

Pode subitamente tudo o que era muitíssimo importante, perder toda a importância e ficar toda mesmo reduzida  ao único instante que é este. Como se os outros se esfumassem na inexistência inatingida. A história é conhecida de todos, por tantas vezes repetida, mas  a irracionalidade leva sempre a ser ignorada até ao momento em que, de novo, se repete para glória do presente absoluto. Nessa altura vêm à memória as listas dos temas adiados para melhor oportunidade, porque havia outros que sempre se lhes disputavam a primeira linha da ordem. E como vinham, passavam, tendo apenas a importância de ali terem estado... à espera. Depois ficam apenas as cinzas da sua utilização no braseiro da vida.
Realmente, devem contar-se pelos dedos as coisas mesmo importantes, excetuando as que nesses instantes em que tudo perde importância, adquirem, de forma inesperada, toda a importância. Não há desculpa para as adiarmos. Mas de nada servem estes avisos fora de tempo.

quinta-feira, novembro 03, 2011

Parcerias público-privadas

Qualquer negócio envolve duas partes. Quando uma das partes negociadora é eleita, há pelo menos uma outra parte envolvida de forma indireta, porque os que negociaram o fizeram a mandado dos eleitores.
Feito o negócio e, uns tempos depois, conclui-se que uma das partes perdeu, perdeu mesmo imenso, com o acordo. Nisto de negócios, quando alguma das partes perde é porque outra ganha. Neste caso parece que ganhou e se prepara para continuar muito, mesmo muito, excessivamente.
Perceberam então os eleitores que as consequências do negócio vão deitar tudo a perder e viram-se qual horda destemperada contra os que antes elegeram e, em seu nome, fizeram o tal mau negócio. Pedem-se responsabilidades e cabeças, para aliviar o engano do voto feito.
O problema é que essa vingança, aliviará a raiva, será catártica, mas em nada emenda o negócio e a catástrofe.
Ao mesmo tempo, a outra parte do negócio, a que fez mesmo um grande negócio continua impune e todos a acham inocente? Ou perante a catástrofe vai-se punir a safadeza e a ganância de alguns que se aproveitaram do negócio, da forma matreira com que quase sempre atuam?
Que se castiguem politicamente os que erraram e se deixaram enganar, mas corrija-se o erro punindo economicamente quem do erro beneficiou e agora ri e vai assobiando para o lado na desportiva. Mesmo que o Direito diga que não, a Justiça aprovaria.
E há instantes na História em  que o Direito se deve submeter à Justiça, a forma ao conteúdo, o virtual ao real. Ou então, a descrença cresce, a esperança cede e estão criadas as condições do caos.

quarta-feira, novembro 02, 2011

É a Democracia, estúpidos!

Democracia ("demo+kratos") é um regime de governo em que o poder de tomar importantes decisões políticas está com os cidadãos (povo), direta ou indiretamente, por meio de representantes eleitos. (Wikipedia) Uma criação grega, direi eu.


Por estes dias constato o nervosismo que entrevejo em certos comentadores e jornalistas a propósito do referendo na Grécia. Quase que se lhes nota a vontade de chamar nomes à decisão. Mas quais? Sempre tão rápidos a associar a anti-democracia a tudo o que não vá ao encontro do desejo do poder dos mercados, desta vez não dá jeito dizer que uma consulta ao Povo possa ser não democrática. Chatice! Há um conflito entre a mercadocracia e a democracia. Os mercosystas estão em dificuldades.

quarta-feira, outubro 26, 2011

A causa das coisas

Perante o Porsche estacionado à porta do Hospital do Divino Espírito Santo, interroguei-me sobre a razão das opções das pessoas relativamente às coisas. Afinal porquê um carro de corridas numa ilha tão pequena? A coisa pode ser um sonho, um projecto de vida, mas continua a ter algo de muito absurdo.

terça-feira, outubro 25, 2011

Relvas daninhas

No fundo, o chato é que nos chamem estúpidos enquanto fazemos aquela tarefa difícil que agora anda aí em voga de «apertarmos o cinto e baixarmos as calças ao mesmo tempo», tentando assumir a posição dos alemães quando perderam a guerra ou de outros quando se viram para Meca.
Vem isto a propósito daquele insulto à nossa inteligência feito pelo defesa direito (nº 2, não é?) do governo, quando explicou (sem se rir) que em países de economias mais avançadas que a nossa não havia subsídios de férias nem de Natal. Realmente, sempre achei que não era a forma mais correta de os empregadores retribuírem o trabalho, porque mais não era do que reterem uma parte do salário durante uns meses para só o pagarem ao 6º mês, com o fito de que fosse gasto de imediato, ou seja, de alguma forma voltar a quem o pagou.
Uma melhor alternativa (muito melhor, mesmo) era o pagamento do salário anual em Janeiro! Só um pagamento por ano correspondendo à totalidade do que era pago antes do roubo de 14% agora instituído.

quarta-feira, outubro 19, 2011

Memória recente

Começa a ser necessário rever a Constituição, não tanto para introduzir limitações ao défice, mas para criar uma espécie de contrato em que fique estabelecido que o Presidente tenha de demitir obrigatoriamente os governantes que fizerem este tipo de discursos antes de serem eleitos e reneguem tudo o que disseram depois na governação:

É preciso assumir responsabilidades. E se depois de eleitos encontrarem um mundo que não conheciam, o que têm que fazer é ir de novo a jogo e prometerem o que, informados, achem que podem cumprir, porque assim, como este faz, é mesmo muito feio.

terça-feira, outubro 18, 2011

Carta ao futuro

Olá Tomás,
deixa que te escreva estas palavras, mesmo que ainda as não possas ler. Mas ali, no meio daquele quarteirão de Gente, percebi que ainda há uma possibilidade, mesmo pequenina, de o mundo não ser só aquilo que os novatos aiatolás do liberalismo instalados recentemente no poder querem fazer dele. Sim, era só um quarteirão de Gente, mas já noutros tempos foi assim. Esta Gente sempre foi uma minoria, mas escreve-se com maiúscula. Foram eles também, que há mais de 30 anos, mudaram num dia de Abril um país ainda bem mais triste do que este que estamos a viver. Foram eles, afinal, que que se lembraram de começar a dar escola aos analfabetos, saúde aos doentes e vida aos reformados. Graças a eles foram criadas as conquistas que os jovens aiatolás agora liquidam como os subsídios de férias e de Natal. Foi um tal Vasco, que fazia discursos emocionados em Almada. Talvez, se tudo correr bem, um dia na Escola te venham a  falar do tal sujeito. Pelo menos, passou-me isso pela cabeça, quando vi os sorrisos tímidos dos roubados da esperança, dispostos nos passeios feitos margens do rio vermelho que avançava. Aceitavam, sem recusa, os autocolantes e havia neles algum olhar agradecido, quase raiando a inveja de a sua timidez os não fazer saltar, desde já, para a torrente. Mas sabes, nenhum rio é grande quando nasce, é preciso tempo para engrossar e, no fim, não há mais barragens que o possam deter.
Vamos ter que alimentar este rio e chamar de novo ao percurso todos aqueles que não vi hoje por lá. Tive saudades de muitos que conheci em tempos, mas que hoje deviam estar a trabalhar enfiados nos seus consultórios privados e lá não foram. Mas também são Gente de confiança e vão aparecer noutros dias. Podes estar certo que isso vai acontecer e o rio vai ser mar, porque afinal não podes nascer numa terra sem esperança e sem futuro. Tu e os teus amigos merecem que o rio cresça. Vamos fazer por isso e  gritar bem alto, porque todos sabemos que «quanto mais calados, mais roubados»

domingo, outubro 16, 2011

quinta-feira, outubro 13, 2011

Cuidado


Sintam-se aliviados vocês os trabalhadores privados, mas aproveitem para ler:

Na Alemanha,
Primeiro vieram buscar os comunistas, e eu não disse nada porque não era comunista.
Depois vieram pelos judeus, e eu não disse nada porque não era judeu.
Depois vieram pelos sindicalistas, e eu não disse nada porque não era sindicalista.
Depois vieram pelos católicos, e eu não disse nada porque era protestante.
Depois vieram por mim e, nessa altura, já não havia ninguém para erguer a voz.


PASTOR MARTIN NIEMOLLER
(Sobrevivente do Holocausto)

Guerra aos cidadãos de segunda

Os funcionários públicos  e pensionistas não irão perder os subsídios de férias e de Natal. Vão ter reduzidos os seus vencimentos nos dois próximos anos em 14,3%!! Não contando com o agravamento de impostos... Abatidos os funcionários públicos, irão emergir como cogumelos os empreendedores....Ou não!!
Como Sócrates, Passos Coelho usa estes cidadãos de segunda como escudo. Até quando a resiliência?

Saúde para todos


Existem três tipos de sábios, os cadentes, os de sempre, e os emergentes. Na verdade, dos primeiro há apenas um (Medina Carreira), os de sempre são os de sempre (basta ligar a SIC e ouvi-los comentar sempre na mesma direção) e agora há um sábio emergente (António Barreto). Este sábio emergente deu recentemente uma entrevista ao Expresso onde despeja a sua ciência sobre Saúde e o serviço nacional e conclui uma coisa simples: não temos dinheiro para manter um serviço universal e gratuito. Vai daí a solução, os ricos (a definir) que a paguem! Sendo o dinheiro um bem escasso, não é necessariamente um bem inexistente. Existe, importa saber como melhor se pode usar.
O problema da saúde não é económico, é político. E a questão básica no pagamento dos seus custos é decidir quem deve suportá-los: os doentes ou todos os cidadãos, solidariamente. Num Estado solidário, parte-se do princípio político (porque a política tem princípios ao contrário da economia onde só existem fins) de que aos doentes não deve ser acrescentado o ónus de uma situação que não escolheram voluntariamente e, portanto, a eles não deve ser aplicado o princípio do utilizador pagador. É uma questão de justiça e por isso se lhes dá o direito de, na situação de doença, não terem ainda a segunda desvantagem de ter que pagar os seus custos. Partindo deste princípio de solidariedade em que ao Estado cabe assegurar de forma gratuita a saúde dos seus cidadãos, onde se pode encontrar o dinheiro para pagar as despesas da saúde? O Estado só tem uma fonte de recursos, os impostos. Portanto, é aí que terá de recorrer para se suportar os custos da saúde universal e gratuita. Obviamente, que se não deve gastar sem controlo e que é fundamental criar regras de controlo das despesas (ser eficiente), mas isso não significa que se corrompa o princípio básico de que não devem ser os doentes os castigados com o pagamento de uma situação que não desejaram. Nem os ricos merecem o duplo castigo de estar doentes e ser penalizados com os custos do seu tratamento! Mais sentido fará, se houver vontade política de respeitar o tal princípio, que se aumentem os impostos para se gerar a receita que permita garantir a saúde a todos (por exemplo criando um imposto dedicado). Com o reforço da eficiência e eventual aumento de receita fiscal (se necessário) é possível ter o dinheiro que o sábio diz não haver. Pelo menos é isto que pensa um não sábio, que não preside a nenhuma Fundação e não descarrega sabedoria do alto de uma torre das Amoreiras. Eu apenas sei o que é o azar de ter uma doença, porque lido com essa realidade todos os dias.

quinta-feira, outubro 06, 2011

Steve Jobs (1955-2011)

É verdade: não tenho nem nunca tive um iPod, um iPhone ou um iPad.
Constatei hoje isso. Sobrevivi. Como foi possível?

sexta-feira, setembro 30, 2011

Justiça, a desejada

Um fugitivo à justiça americana foi caçado depois de uma ausência das cadeias durante vários anos. Aparentemente, seria um cidadão reconvertido ao bom caminho (mesmo depois de ter morto alguém e desviado um avião onde terá posto o FBI em cuecas). Deverá agora ir cumprir pena. A prisão não foi o seu instrumento de reconversão ao bom caminho. Foi a vida. Para quê estragar-lhe agora a vida que lhe resta? A função da restrição da liberdade será mais a publicidade do que é proibido fazer ou induzir à reflexão?
Outro fugitivo à justiça por (prováveis) crimes económicos foi também preso. Acredita-se que a habilidade dos advogados o libertará muito em breve. O sinal para a sociedade poderá ser que o crime desde que bem feito pode compensar, porque até nem o será.
Em resumo, o primeiro fica preso e o segundo é libertado, quando, a sociedade provavelmente mais ganharia com a libertação do primeiro e a restrição do segundo. Mas isto é intuição, humanismo, justiça e coisas menores quando comparadas com o grande Direito.
A despropósito, há uma ministra desaparecida em lugar incerto, provavelmente num retiro onde se encontra a escrever, escrever, escrever a grande reforma da Justiça. Espera-se que chegue numa manhã de nevoeiro.

quinta-feira, setembro 29, 2011

(I)moderação

Gostamos de chamar nomes suaves às coisas. Assim, a cobardia não transparece nem se mostra como aconteceria com o bom rigor das designações. Uma TAXA MODERADORA como o nome indica é algo que visará impedir um consumo indevido, uma tentativa de condicionar um consumo inútil de recursos. Por isso, dar este nome, como o fez o Ministro Correia de Campos, a uma taxa que era paga quando os doentes eram internados, era abusivo, era cobardia, porque, obviamente, se tratava de um co-pagamento e, possivelmente, inconstitucional por que a saúde era (e espera-se que continue a ser) tendencialmente gratuita.
Agora, o novo ministro veio determinar taxas moderadoras para famílias com rendimento acima de 1000 e tal euros. Não são taxas moderadoras, porque são, de novo, co-pagamentos. Com efeito, se o objetivo é moderar o consumo por que razão se isentam uns e penalizam outros? Com pés de lã, tentam chegar onde efetivamente querem chegar, aos co-pagamentos. É indecente penalizar com uma taxa quem é condicionado pelo médico prescritor a marcar uma consulta ou a fazer exames auxiliares. O doente apenas obedece a uma instrução, que responsabilidade pode ter na ordem que um técnico «habilitado» lhe dá?
Mais sensato, muito mais sensato, seria que os prescritores fossem responsabilizados pelos exames auxiliares que pedem e medicamentos que receitam!! E tanta imoderação que aí grassa e desresponsabilizada.

terça-feira, setembro 27, 2011

Moedas de troca (tintas)

“As pessoas em Portugal não vêem o que se passa no dia-a-dia lá fora, com números negativos a sair todos os dias nos Estados Unidos da América, e ao termos esta incerteza, obviamente que os cenários [macroeconómicos] têm de ser modificados, mas não por não estarmos a fazer o que temos de fazer, mas sim pela situação internacional”,


Uma ajuda: Não, não foi Teixeira dos Santos nem José Sócrates que disseram. Quando eles diziam, quem agora diz, dizia que o problema deles se não explicava pelo que acontecia na conjuntura económica internacional, mas era um problema de má governação nacional. Mas isso era dantes. Bastaram menos de 100 dias para virar o bico ao prego. Moedas com duas faces afinal tão iguais!

No comments

domingo, setembro 25, 2011

Discurso de outro presidente

“O senhor almirante Sarmento Rodrigues quis que eu dissesse algumas palavras. Ei-las. Tenho quase todos os livros que ele escreveu, todos eles com amigas dedicatórias, também um pequeno folheto que ele publicou sobre o canário encarnado porque ele preocupou-se imenso em conseguir um canário que não fosse da cor habitual e de vez em quando lamentava-se de não conseguir obter aquele canário que ele tanto desejaria possuir. E agora mais um simples episódio para juntar àqueles que eu ouvi aqui citar. Ele era muito meu amigo. E uma vez resolveu dar, dar-me dois periquitos, os melhores periquitos que tinha na sua colecção. Cheguei a casa com eles muito contente, mas em casa não receberam bem os periquitos. Resultado: tive de dar que os dar. Um deles sei a quem o dei. Tá aqui presente a pessoa: o almirante Noronha Andrade. Mas não lhe disse nada que me tinha desfeito dos canários (uma voz: dos periquitos), dos periquitos digo. E mais tarde, uns anos depois ele diz-me assim: então o senhor deu os melhores periquitos que eu tinha e que eu lhe tinha dado com tanto gosto? É verdade, dei porque não os podia ter em casa, mas não lhe disse nada para não o desgostar. Afinal de contas houve alguém que deu com a língua nos dentes e você ficou zangado comigo. Zangado não fiquei porque sou muito seu amigo.”


A História não se repete? É procurar as diferenças!

sábado, setembro 24, 2011

Um triste

“Ontem eu reparava no sorriso das vacas, estavam satisfeitíssimas olhando para o pasto que começava a ficar verdejante”. Este discurso revela intensa leitura do antigo livro da Primeira Classe.
O senhor Silva anda a comer queijo a mais. Cuidado que fica desmemoriado e esquece-se do que deveria dizer sobre o bicho da madeira.
A continuar assim, esperamos que se dedique rapidamente à poda das anonas (em regime de exclusividade).

segunda-feira, setembro 19, 2011

Revolta de um cidadão AAA

Imagino que um alemão olhe para o que se passa em Portugal, como qualquer português honesto olha para o que se passa na Madeira. Não há paciência para mais desgoverno e é tempo de se governarem! Se não conseguem, abram falência, declarem a independência, façam o que lhes apetecer, mas não peçam mais!!
Mas a situação é mais complexa. Também a classe média portuguesa não beneficia da minha ternura. Foi uma classe burra que se deixou enganar lamentavelmente pelas ofertas de crédito dos banqueiros e todas as miseráveis Cofidis que por aí grassam. Estranhava eu, aqui há uns anos, sempre que me ofereciam cartões de crédito e dinheiro barato. Pensava, eu não vou nisso e só espero que me não venham pedir que lhes pague os desvarios. Resisti a ter casas acima das minhas posses, não mudei de carro de  3 em 3 anos com leasings tentadores, não viajei com a crédito, não pedi emprestado para jogar na bolsa. Enfim, vivi dentro do que podia. Eu não contribuí para a crise da dívida!! Sou um português de classe média triple ei (AAA), tenho um nível de endividamento melhor que a Alemanha e o meu défice é inferior a 3%. Por isso é lamentável que me reduzam o vencimento, me roubem parte do 13º mês, me aumentem o IVA periodicamente, me subam a conta da eletricidade e etc. Quem esteve a ganhar com esta paródia do crédito barato, não vai pagar nada? Ainda querem que lhes paguemos os riscos mal calculados da especulação que fizeram? Vai sendo tempo de voltar à realidade e quem apenas tem sustentação virtual que caia. Vamos recomeçar o jogo, mas um real.
Por falar em realidade, anda agora toda a gente a dizer que temos uma saúde ótima, um ensino que nem é assim tão mau, uma segurança social interessante. Os mesmos que diziam que tudo isso era lixo aqui há uns tempos atrás, vêm agora dizer que até tem qualidade, mas que não temos dinheiro para tudo isso. Afinal até era bom demais!! Insinuam que foi quem trabalha que gastou indevidamente, para amanhã os penalizarem mais uma vez. Basta, a luta de classes está cada vez mais real e que cada um saiba o lado da barricada onde se coloca.
Com medo, os guardiões do Capital já preparam um orçamento de Estado onde apenas não há cortes para as forças de segurança. Segurança do quê? Não certamente dos que agora são estropiados quase diariamente. Basta de brandos costumes e de ser politicamente correto.

quinta-feira, setembro 15, 2011

Tempos de Paris

A rotina programada é um tédio e os desencontros e as surpresas que causam são, às vezes, oportunidades felizes. Foi o que aconteceu hoje quando não havendo a sessão de Pina  (Win Wenders) e, graças à eficácia de uma funcionária da UCI, acabámos por ver Meia noite em Paris. Woody Allen tem aquela particularidade de me já ter feito sair zangado do cinema por ter a sensação de apenas ter ido contribuir para pagar a conta dos seus psico qualquercoisa. Desta vez não foi assim. Este é um dos melhores filmes que vi dele. Uma história simples e mágica em que o tema pode ser a insatisfação com o tempo em que se está, mas que talvez vá para além disso. Do tempo fútil de hoje, parte o personagem à procura de outro tempo de encontros mais consistentes que lhe permitem ver que, afinal, poderemos estar sempre descontentes com o nosso tempo e tentarmos transpor-nos para outros tempos sem nos encontrarmos nunca num tempo desejado. O que nos conduz ao tempo desejado são os encontros com as nossas afinidades nos outros e, virtualmente, nos podermos encontrar e às nossas continuidades. O resto é ter a sorte de encontrar, no mesmo tempo, alguém para se caminhar ao lado numa noite de chuva em Paris. A história vem de longe e não termina, porque a criação e o génio são tudo o que persiste. Tudo o resto é a inutilidade do poder do dinheiro e do consumo, o medo do roubo e do comunismo. A angústia que acabará por apertar um dia as coronárias. A Arte será o tudo o que se ergue e fica para além de todos os tempos.

Bruxo!

«Haverá vontade real de dar a volta a isto, perceber que esta Economia nos não serve ou apenas se quer mudar, esquecendo que para pior já basta assim? Porque já anda de orelhas espetadas quem se prepara para, depois de sair da cartola, nos dizer que afinal a coisa estava ainda mais negra do que se pensava, as contas do Estado são uma calamidade maior e por isso, não só vamos confirmar todos os PECs, como vamos ainda ter necessidade de fazer maiores sacrifícios, por exemplo, pagar a saúde, a educação, limitar as reformas, acabar com qualquer garantia de emprego em troco de umas esmolas aos mais pobrezinhos. O Estado na sua versão mais short, verdadeiramente de tanga.»
(Escrito a 12 de Março deste ano neste blog)


Pois já andava e agora já vamos no PEC n que eu já lhes perdi a conta. De PEC em PEC até ao desastre final. Acabou  a tanga e a parra está a secar revelando dentro em breve a verdade nua e crua: a falta de tomates. 
Eu já tinha sido bruxo (é fácil!) e se calhar o desastre final já não demora muito. Bruxo de novo?

segunda-feira, setembro 12, 2011

Fantasia americana

Que poderão fazer três pessoas trancadas na casa-de-banho de um avião no dia 11 de Setembro? Um affaire à trois no espaço público-privado não passa despercebido aos americanos e a coisa é logo motivo para fazer descolar uns F-16 prontos para o que der e vier. Nas mentes preversas do americano, a coisa deve ser bombástica (mesmo que o silêncio do outro lado da porta impere devido à obstipação e só os tímidos esgares insonorizados prevaleçam).  E é assim que um doce alívio mais prolongado que não chega se pode tornar em prisão (que não de ventre) naquela terra que já foi de liberdade, mas que agora mais parece ser de medo incontrolado.

quinta-feira, setembro 08, 2011

Elogio do lazer

Mais não fosse por isso, as férias valem a pena: fica uma vontade enorme de não reencontrar a rotina e de começar todas as promessas que nos fazemos nos espaços de liberdade onde estivemos. Não deixa de me parecer absurdo toda a glorificação do trabalho, quando é na tranquilidade do estar e descobrir que nos encontramos melhor. Muitas vezes é no sonho que encontro a melhor realidade. O resto são apertos para coronárias.
Facilmente concluo que o trabalho só liberta os que sempre descansam. Mas é o trabalho dos outros.
Algumas imagens de libertação para elogio do lazer, do nascer ao pôr do sol.


quinta-feira, agosto 11, 2011

Vinde ao Santana, pobrezinhos!

«Os pobrezinhos

- Batem à porta. Meu filho, vai ver quem é.
- É um pobre, minha mãe, um pobrezinho a pedir esmola.
A mãe veio logo com um prato de sopa e deu-o ao pobre. Depois, voltou para a sala de costura e deixou o filho a fazer companhia ao mendigo. Este, quando acabou de comer, disse por despedida:
- Deus faça bem a quem bem faz!
O menino ficou comovido: - Que pena tive do pobrezinho!
- E é caso para isso, respondeu a mãe. Os pobres são nossos irmãos. Devemos fazer-lhes todo o bem que pudermos. Jesus ensinou que até um copo de água, dado aos pobres por caridade, terá grande prémio no céu.»


O que vamos percebendo já ao fim deste tempo é que eles adoram os pobrezinhos e quase não pensam em mais nada. Não é bem assim? Ora vejamos:
1. Os transportes públicos aumentam, mas eles vão arranjar um bilhete para os pobrezinhos;
2. Nas cantinas onde os pobrezinhos se alimentam, vai atenuar-se a vigilância da ASAE. Conclusão: pobrezinho não é gourmet, então tolera algumas não conformidades;
3. Mais recentemente, pobrezinho passa a poder ser tratado com medicamentos perto do fim do prazo de validade, o que aos menos pobrezinhos não é permitido.

Enfim, temos um Governo que ama os pobrezinhos e os ajuda, que os promove. E vai haver chazinhos de caridade e tias muito felizes. Este governo ama tanto os pobrezinhos, que até vai criar mais alguns, de preferência muitos mais. Não para ganhar lugares no Céu oferecendo copos de água, que isso é chão que deu uvas e agora a tendência é mais para os bons lugares cá na terra. Essa será também uma das razões por que estão tão pouco interessados em controlar as águas de Portugal e decidiram privatizá-las.Por este caminho, mais algum tempo, e alguns dos pobrezinhos morrerão de sede, mas não há problema que o Governo logo os substituirá por outros para entretenimento das tias e misericórdias com o Grande Santana à frente!

quarta-feira, agosto 10, 2011

Notas do dia

1. Finalmente, o Governo começa a tomar medidas de redução da despesa do Estado: O Ministério da Saúde suspendeu o pagamento de todos os reembolsos directos aos utentes do Serviço Nacional de Saúde (SNS), com efeitos já a partir de amanhã.
Eles bem tinham avisado que este era o caminho.
2. A partir de agora também os patrões passam a ser mais competitivos: com a redução da TSU em quase 4%, passam a dispor de maior capacidade para encomendar novos Ferraris. Assim, ninguém mais os vai apanhar.

terça-feira, agosto 09, 2011

Coisas dos dias de hoje

"Agora, já não há coelhos para tirar da cartola", avisa Roubin

Pois, o Coelho foi de férias e de pouco valeu mandar o outro estudar filosofia...

As perdas nunca são generalizadas. Por estes dias, a agitação no Reino Unido, criou uma oportunidade inesperada de negócio para as empresas que vendem vidros para montras.
Quem mais está a ganhar com a chamada crise? Certamente, haverá alguém.

Isto está tudo ligado!

sexta-feira, agosto 05, 2011

Ampulheta

Passo semana fora a passo rápido. Passo para chegar lá, onde o tempo tem um passar diverso deste tempo fugidio do dia-a-dia. Até ao tempo dos pássaros, dos cheiros, das temperaturas que mudam desde o tempo de acordar ao de deitar. É lá que estou quando por aqui passo neste tempo que apenas passa. Amanhã é sexta-feira. Ou é já hoje no fim do tempo deste espaço.

domingo, julho 31, 2011

Visão 2

Seguramente um dos melhores céus do mundo, agora já aconchegado numa temperatura ligeiramente mais elevada. Nem o zumbido de uma melga parece comprometer a visão.

sábado, julho 30, 2011

Visão

A ver crescer a tília rubra cada vez com mais flores ou as estrelas da cauda da Ursa Maior, oscilo no vai-vém tranquilo da rede.
Semeio tílias pelo caminho abaixo até ao portão, não de Bradenburgo, coloridas (amarelas, vermelhas)dando sombra e cor melhor ainda que Under den Linden.Uma visão breve e tranquila.

sexta-feira, julho 29, 2011

Pré-reforma

Há dias que são assim e nos deixam com tudo a começar, incluindo as dúvidas.

Foi assim hoje, porque, às vezes, precisamos de renascer.

quarta-feira, julho 27, 2011

Raios de sol através do nevoeiro

Esmagador. O debate politicamente correto apenas beneficia o poder. Boa Alfredo, chega-lhes!
Por um instante o nevoeiro levantou ainda que a matilha oficial vá rapidamente falar de falta de diálogo, insulto e outras más educações. Mas é assim, quando os campos não devem reger-se pelo livro de procedimentos escrito por quem domina.

terça-feira, julho 26, 2011

Para além do nevoeiro

Numa altura em que nos sobrecarregam de informação, inadaptados para gerir esse fluxo acrescido de dados, mas ainda viciados na ideia da capacidade ilimitada de gestão e sufocados pela necessidade de não nos mostrarmos ignorantes, isolamo-nos, quando mais precisávamos de interagir. Neste percurso vamos perdendo contacto com a realidade do mundo, cada vez mais complexa, aparentemente caótica e descontrolada. Nem a fé, há muito já perdida, vem agora em socorro destes náufragos das ideias, que sobrevivem, simplesmente, fugindo para a frente, para onde, cada vez com menos pé, o afogamento parece ser a única saída. Medo dos nós que podem vir depois dos laços, anda-se desatado por aí na aleatoridade dos contactos fazendo amigos virtuais que se não tocam. Aos milhares e sem compromissos. Desistimos da política, da religião, da arte, da música, até de ter opiniões, porque «os gostos não se discutem». Não se discutem porque as consequências deles, não são resultados coletivos, porque tudo o que seja mais que um deixou de fazer sentido. Criou-se a aversão ao confronto e a argumentação passou a ser um exercício de má educação. Agora, apenas se argumenta o futebol, porque aí ainda é tolerável o jogo da crítica. Para compensar, esse é o campo onde tudo vale e mesmo o insulto pode fazer parte do jogo. Para compensar o vazio de tudo o resto.
E este irrealismo esquizofrenizante domina agora a economia destes dias onde a imaginação dos homens ampliada pela capacidade de cálculo virtualmente infinita das máquinas construiu uma realidade não fundamentada que se desmoronará impiedosamente. Uma questão de tempo, mas mesmo assim uma inevitabilidade. Que sobrará então? Possivelmente, a capacidade de recomeçar a partir da Estética, uma outra irrealidade, mas sensível. Para além do nevoeiro, uma esperança ainda.

segunda-feira, julho 25, 2011

Asfixia social

A Economia assume a imoralidade e o primarismo da análise. As contas fazem-se no imediato dos custos e proveitos, sem se assumirem os impactos de outra natureza além do imediatismo da análise limitada. Há outros custos quando se aumentam transportes ou quaisquer outros bens relacionados com consumos inevitáveis.: Gastar no inevitável é comprometer despesas opcionais que poderiam ter que ver com algum resto de bem-estar e ao mesmo tempo aproximar os custos do bem coletivo aos das alternativas individuais. Aí será possível imaginar impactos e custos sociais de outra ordem, quando se pensa no abandono do transporte coletivo para se optar por um transporte individual, por absurdo.
E não vale a pena discutir a justiça de medidas que afetam de forma discriminada grupos de indivíduos. A Justiça é um conceito ultrapassado e reacionário! Espera-se apenas que a inexistência de opções alternativas e o amarfanhamento sempre dos mesmos vá aumentando  a pressão até se atingir um limite além do qual a revolta surgirá como opção.
Um exercício simples: de todas as medidas que o Governo atual já tomou, compare-se o impacto que tiveram no Zé e na Maria e num proprietário privado (que por acaso não anda de transporte público, nem recebe 13º mês). Outro: que parcela dos lucros de empresas (excluídos os reinvestidos, isto é os dividendos dados aos acionistas) será sacrificada neste esforço de «salvação económica»? Ou estaremos apenas a «corrigir» a distribuição entre ganhos do Capital e do Trabalho, subindo os primeiros e diminuindo os segundos? Terceiro: qual o impacto demonstrado destas medidas na taxa de desemprego?
Em resumo, uma boa semana de trabalho que a Troika agradece o vosso esforço.

domingo, julho 24, 2011

Rumo e sentido

A lógica da Justiça perdeu o sentido e as opções ficam além da Moral subordinadas à aleatoridade da sorte. Chegámos a um tempo em que cada um dos que está à nossa volta passou a ser um adversário, isto é, alguém que se tolera desde que não interfira nos nossos interesses e que se abaterá, se for necessário, para que eles se mantenham e ampliem. A vida deixou de ter um rumo histórico de libertação coletiva, porque agora é cada um por si. Não se olha para trás nem para o lado, na vertigem única de seguirmos em frente em busca de algo não identificado, talvez numa ânsia de reduzirmos o receio de estar vivos e cada dia, deixou de ter um plano, o futuro perdeu as garantias e os direitos adquiridos no passado, porque cada dia pode já ser o último, tal é o Medo que nos domina.
Agora vale ter medo de tudo, menos da única coisa de que valeria ter medo: não viver, realmente. É desta forma que as longas vidas se esvaziam de vida, apenas em busca de uma linha do Guiness Book of Records.
Quanta sobrevivência inútil em vez de Vida efetiva, materializada numa história a fazer em comum? Porque a História são as interações das personagens e não o percurso autista de cada uma delas.

sexta-feira, julho 22, 2011

Direito à vida

O mundo está a tornar-se um lugar estranho para viver. Mas não há outro! Subitamente, podemos ser apanhados numa esquina por um louco e ser desfeitos em pedaços e não foi sempre assim. Por que andam as pessoas tão infelizes ou isto não será um problema de falta de felicidade, mas de pura loucura?
Agora um norueguês doido, amanhã um outro qualquer insano e as ruas ficarão sempre cobertas de vidro e sangue. Pouco há  a fazer, ou apenas ter a sorte de não estar no sítio errado. Mais uma vez a sorte se sobrepõe a toda a racionalidade. O melhor é seguir, apenas.
Inteligentes, os governantes noruegueses continuarão a andar nas ruas sem guarda-costas não sacrificando a vida à triste sobrevivência, como atualmente fazem os norte-americanos. É que há uma vida que não deve ser reduzida a sobreviver e, até prova em contrário, é limitada e o seu tempo não deverá ser desperdiçado a tirar cintos e sapatos e a repô-los, a abrir e fechar malas. Uma vida para viver simplesmente, sem sacrifícios à sua duração no tempo, porque mais vale um instante vivo que dezenas de anos preso numa liberdade que oprime.

A Nacional-social-democracia

De repente os ricos ficaram generosos e acham que devem pagar mais que os pobres, p ex., nos transportes públicos (onde não andam) e na saúde (quando já se tratavam fora do país). Mas há um pormenor onde não aceitam pagar mais: os impostos! Estranho, não é?

E tão generosos que são, vão criar um passe social para indigentes. Outros houve que marcaram ainda outros com uma estrela! Também agora, o uso de passe social passará a ser um estigma. Afinal eles é que sabem de Estado Social.

terça-feira, julho 19, 2011

Pré-época: O reforço dos Gatos


Foi um casting para ser o quinto elemento dos Gatos? Há ali inspiração felina (Tiago Dores que se cuide!).

segunda-feira, julho 18, 2011

O buraco

Lei da conservação da massa: Na natureza, nada se cria, nada se perde, tudo se transforma.
Lei da conservação das «massas»: Na economia, o que se produz é consumido ou sobra, tudo se troca de uma maneira ou de outra, se alguém compra é porque alguém vende e se alguém tem prejuízo é porque alguém lucra com isso. O sistema não induz a perda de todos, até porque os bons negócios são os que «fazem ambas as partes ganhar». Por vezes a doutrina não funciona, porque alguém abusou e corrompeu as regras da livre negociação, por exemplo, subsidiando a destruição da produção, rapinando os ativos existentes. É a Guerra!
Vem isto a propósito de saber quem é que está a ganhar nesta crise que não é generalizada.  Depois de identificar os ganhadores, logo se analisará a forma como chegaram à vitória. Isso é necessário para se fazer a justa correção dos erros. Voltar a pôr a coisa a andar decentemente.
Dizia-me a doente: Pois está a ver isto, os alemães sempre a dizerem que nós gastamos sem termos para o fazer, mas afinal não deixam de nos vender BMWs e Audis... Ok, combata-se o consumo, mas prendam-se os dealers.

domingo, julho 17, 2011

Depressão ou silly season?

Se calhar foram de férias quando não deveriam ter ido. Mas a verdade é que não tenho ouvido a esquerda falar por estes dias. Não, não é o PS que está em período de nojo pelo futuro filósofo que agora come croissants na Rive Gauche . Falo mesmo é do PC e do Bloco. Foram silenciados nos media ou estão a banhos?
Eu estive, gostosamente a banhos esta tarde em que o sol ainda não arde e tudo continua fresco (exceto no Ministério da Agricultura...).

sábado, julho 16, 2011

Jovens rebeldes

Os jovens rebeldes que nos governam continuam a marcar a agenda. Depois de um ter ido à tomada de posse de scooter (grande texto de César Príncipe), agora é a notícia da Ministra que quer apagar o ar condicionado no Ministério: que a temperatura suba que ela lhes vai arrancar as gravatas também. Esperam-se cenas dos próximos dias. Sem camisa? E sem o que mais à frente se verá! (Ainda haverá tanga?) Sempre a aquecer.

quinta-feira, julho 14, 2011

A entrada

Acertados os fusos em 24 horas e pronto para a grande festa. O esforço conjunto e empenhado tinha preparado o terreno e no resto o clima ajudou sem muito calor nem muito frio.

  • Esteve bonita a festa, pá. Mesmo se os microfones não lhes tivessem ampliado as vozes, não teriam deixado de nos recordar que mesmo sendo as rosas todas iguais, sempre se encontra uma que é diferente de todas as outras, sendo única porque é com ela que gastamos o nosso tempo. E o tempo apenas começa agora prolongando-se por muitos mais dias do que mil e uma noites de que esta festa foi feita. 
  • Soube bem ver os amigos que vieram, alguns com sacrifício, e ver-lhes algum sorriso não disfarçado. Sempre serão bem-vindos neste quadrado que se quer um espaço de pausa e renascimento. É para isso que se está aqui.
  • Depois destes momentos, fica-se mais condescendente com a besta que corre, funga, pára e revolta numa tarefa  incessante na busca de uma estátua que não vem. 
  • Mais custa ouvir um Presidente trair a Constituição que jurou e dizer que devem uns comparticipar mais, nos cuidados de saúde, de acordo com as suas posses. Nada seria mais certo se a doença fosse uma opção de aquisição e, não impusesse a civilização, que deverão ser os sãos a pagar o desconforto dos doentes. De acordo com os seus rendimentos, certamente, já pagos pelos impostos. Ainda que tenham de ser aumentados ou criado algum especificamente para suportar os cuidados de saúde e manter sustentável o SNS, mas mantendo sempre o princípio de que não devem ser as vítimas a custear os acidentes.
  • Mais irrita este crescendo de indignação e ofensa nacional porque a lógica do sistema que ontem aplaudiram (e ainda não deixaram de louvar) agora nos atira para o lixo. Nada acalma estes mercados nem a simpatia cândida de um Coelho. E o maremoto ainda está para vir.
  • Aos poucos vou-me cansando de ser parte da causa de todos os males por estar exclusivamente do lado do Público e privado de ser privado nas horas vagas. Cresce a vontade de lhes fazer a vontade e reduzir-lhes a despesa que fazem comigo, dando o meu modesto contributo para a atenuação do défice. Mais cedo do que mais tarde e que se lixem as penalizações.
  • Amanhã volta a ser sexta-feira. A liberdade vai passar por aqui.

A saída

Já vão longas estas férias blogueiras e, desta vez, nem foi a motivação da ausência de acontecimento num período em que a desagregação progride serena e determinada. É tempo de fazer um resumo, recorrendo a uma lista que foi crescendo:
Ø  Os funcionários de bordo da United-Continental são agora, cada vez mais, os restos de mulheres que se adivinha terem sido bonitas. Agora apenas se arrastam pela realidade da sua insegurança social até que partam definitivamente noutra viagem. Parecem ansiar por ela. Cansados, atiram-nos comida para cima dos tabuleiros e cobram-nos tudo o que tenha álcool. Deixam-nos longos tempos sem água, indiferentes ao risco das flebotromboses. No final, despedimo-nos com um sorriso politicamente correto. Igualmente cansado de tantos anos passados a sorrir da mesma forma.
Ø  Meios zombiedos pelas diferenças horárias, aguarda-nos o habitual jantar de hotel, com sabor a refeição entre a ceia e o pequeno-almoço. Percebo então que a epidemiologia da Diabetes, olhando a dimensão de um grupo de 2 dúzias de médicos, maioritariamente cientistas da prescrição das últimas novidades terapêuticas. Trata-se realmente de uma doença frequente! Nos dias seguintes, ver-nos-emos ocasionalmente nos corredores do Centro de Congressos e nos Outlets vizinhos da cidade. Viver em Portugal é fácil.
Ø  San Diego, ao fundo da Califórnia, reparo agora é das cidades que mais tenho visitado. Tranquila, sensivelmente igual sempre, ideal para partir para um lado qualquer, nem que seja para apanhar o trolley e ir até Tijuana ver a concentração das gentes. Na Union Square sempre os mesmo desistentes, arrastando-se e discursando alienados empurrando pequenos carros de cobertores e restos de comida. De quando em onde, soam alguns insultos, contra a guerra onde perderam os neurónios subjugados pelos medos dos traumas. E também contra todos os que passamos pela negação do spare change. Quatro quarteirões ao lado, os iates ondulam suavemente na marina.
Ø  Já é habitual nos Congressos americanos não incluírem nas despesas da organização qualquer fornecimento de bloco de notas ou lápis para registar algo que se ache interessante. Aquilo é para ver, ouvir e relembrar os magotes de dados de argumentação para estimulação das vendas dos vários produtos que ali nos levam. Por todo o lado também já estou habituado a ver aqueles avisos de proibição de fotografar ou registar as sessões com qualquer meio mais ou menos eletrónico. Mas sempre tinha achado esses anúncios da mesma forma que os italianos olham os sinais vermelhos nos cruzamentos e visto, com naturalidade e sem espanto, o espetáculo até esteticamente interessante da onda de ecrãs que sobe e desce cada vez que desliza um novo gráfico projetado. Mas desta vez surgiu a novidade dos seguranças intervenientes, passeando na sala, acenando a proibição anunciada. Ainda não destruíram camaras, mas perturbam. E todo este cenário para aumentar o mercado dos registos oficiais que são fornecidos a troco de cerca de 400 dólares. Depois de se pagar uma inscrição de algumas centenas de dólares, fica a dúvida da justeza de se ser impedido de tomar notas eletrónicas, tanto mais que os verdadeiros produtores da informação, se calhar, pouco tinham a objetar aos registos. Pelo menos eu, quando falo, gostaria que a mensagem do que digo fosse transmitida e recebida o mais possível não ficando confinada aqueles 20 minutos de discurso. Que a levem para casa e reflitam, é o que mais gozo me pode dar. Mas talvez estes tenham vendido os direitos e perdido, em troca, a liberdade.
Ø  À noite passam comboios de 3 andares de carros asiáticos abastecendo um imenso mercado que desistiu há muito de Detroit. Todas as noites, o mesmo tsunami de lata entra naquele país, aumentando sempre aquele número gigantesco de uma quase infinitude de dígitos que descreve a dívida americana. Este fenómeno só poderá ter um resultado final catastrófico, porque quem sistematicamente mais consome do que faz, terminará necessariamente caquético por muito que a criatividade contabilística seja gigantesca e o papel disponível para imprimir dólares seja virtualmente infinito.
Ø  No final dos dias valeu a pena pela organização de ideias e colheita de algumas novidades. Acima de todas constatar a ousadia de ver pensar diferente, que sobressaiu da Banting lecture feita por Barbara Corkey. A insulinorresistência pode afinal ser uma insulinoabundância determinada por consumo de lixos não alimentares disponíveis consumidos desde o carrinho de bébé. Faz todo o sentido olhando a epidemiologia do problema e, a ser assim, haveria que afinar a pontaria para novos alvos terapêuticos e concluir que até agora se andou a atirar ao alvo errado.
Ø  No regresso, ainda Nova Iorque e Times Square às 3 da manhã sob calor intenso e húmido e após uma chuva torrencial de 5 minutos, servida para refrescar os dedos das senhoras mal protegidos pelas sandálias que foram em busca de verão.
Ø  E as torres que já se vão espetando no ground zero e mais umas canecas bebidas no McSorley (Be Good or Be gone!), onde as lembranças são fartas e não só as das paredes onde há a notícia da morte de Lincoln num jornal da época.
Já não há nos escaparates T-shirts com a cara do Obama, nem cartões dele com a Michele dispostos nas ruas para os turistas tirarem a foto com os Primeiros. Sente-se o desencanto que vai dominando esta terra decadente.